A carta - Joaozinho



comilhas  
 

Joãozinho estava indo para a escola quando encontrou uma carta. Ele colocou a carta no bolso, sem ler, e seguiu o seu caminho para a escola.

Quando ele chegou na escola, sua professora viu que ele tinha algo no bolso e pediu para ver. Depois de ler a carta ela disse:

- O que é isso menino! Vai direto pra diretoria!!!

Quando Joãozinho chegou na diretoria, a diretora perguntou o que tinha acontecido. Então ele respondeu:

- É que quando eu estava vindo para a escola eu encontrei uma carta, a professora leu e me mandou pra cá.

E a diretora disse:

- Deixe eu ver essa carta Joãozinho.

Quando a diretora leu a carta ela disse:

- Que absurdo Joãozinho! Vai agora pra sua casa, você vai levar suspensão!

Joãozinho chegou em casa e sua mãe perguntou o que havia acontecido. Aí ele respondeu:

- É que quando eu estava indo pra escola eu encontrei uma carta. A professora leu e me mandou pra diretoria, a diretora leu e me mandou pra cá.

- Deixe eu ver essa carta.

E depois de ler a carta, a mãe disse:

- Eu não acredito nisso! Vá embora daqui, você não é mais meu filho, vá morar debaixo da ponte!!

Debaixo da ponte Joãozinho encontrou um guarda que perguntou o que ele estava fazendo ali. E Joãozinho respondeu:

- É que quando eu estava indo pra escola eu encontrei uma carta. A professora leu e me mandou pra diretoria, a diretora leu e me mandou pra casa, minha mãe leu e me mandou pra cá.

O guarda pediu para ler a carta, e depois de ler disse:

- Não é possível! Vai agora pra cadeia!!!

Na cadeia Joãozinho encontrou um carcereiro que perguntou:

- O que você está fazendo aqui garoto?

Então ele respondeu:

- É que quando eu estava indo pra escola eu encontrei uma carta. A professora leu e me mandou pra diretoria, a diretora leu e me mandou pra casa, minha mãe leu e me mandou pra debaixo da ponte, um guarda leu e me mandou pra cá.

O carcereiro quis ler a carta e o menino deixou. Mas depois de ler o carcereiro falou:

- Ah!!! Você vai ter que ir para o tribunal!

No tribunal o juiz perguntou por que Joãozinho estava ali. E ele respondeu:

- É que quando eu estava indo pra escola eu encontrei uma carta. A professora leu e me mandou pra diretoria, a diretora leu e me mandou pra casa, minha mãe leu e me mandou pra debaixo da ponte, um guarda leu e me mandou pra cadeia, o carcereiro leu e me mandou pra cá.

E o juiz disse:

- Por favor, deixe-me ler essa carta.

Depois de ler a carta o juiz deu a sentença:

- Vai pra cadeira elétrica agora mesmo!!!

Joãozinho, morrendo de medo, teve que se submeter a isso. Depois de morrer eletrocutado, ele foi para o céu e Jesus perguntou o que ele estava fazendo ali tão cedo.E Joãozinho disse:

- É que quando eu estava indo pra escola eu encontrei uma carta. A professora leu e me mandou pra diretoria, a diretora leu e me mandou pra casa, minha mãe leu e me mandou pra debaixo da ponte, um guarda leu e me mandou pra cadeia, o carcereiro leu e me mandou pro tribunal, o juiz leu e me mandou pra cadeira elétrica, eu morri e agora estou aqui.

Então Jesus disse:

- Isso deve ser sério então. Deixe eu ler essa carta.

Depois de ler a carta Jesus disse:

- Que horror! Você não pode ficar aqui, vai agora pro inferno!!

No inferno Joãozinho encontrou o capeta, que perguntou:

- O que você está fazendo aqui pentelho?

O menino respondeu:

- É que quando eu estava indo pra escola eu encontrei uma carta. A professora leu e me mandou pra diretoria, a diretora leu e me mandou pra casa, minha mãe leu e me mandou pra debaixo da ponte, um guarda leu e me mandou pra cadeia, o carcereiro leu e me mandou pro tribunal, o juiz leu e me mandou pra cadeira elétrica, eu morri, fui pro céu, e Jesus me mandou pra cá.

Aí o diabo disse:

- Hum... Deixe eu ver essa carta... Deve ser bem interessante.

Mas como no inferno é muito quente a carta se queimou e ninguém nunca soube o que estava escrito nela!!!

 
  comilhas









Facebook | frases | sonhos | nomes | frases poderosas | proverbios | curiosidades | DMCA.com Protection Status política de privacidade |
© 2001-2022 sergeicartoons.com